Rodrigo Terpins desde cedo já apresentava talento e habilidade para a prática esportiva, o que demonstra que essas características muitas vezes são hereditárias, tendo em vista que o seu pai, Jack Terpins, também construiu uma carreira de sucesso no esporte anos antes. Enquanto Jack se destacou como grande ídolo nas quadras de basquete, Rodrigo é piloto de rally, tendo estado em diversas competições de alto nível do esporte.

O jogador de basquete Jack Terpins atuou como profissional durante a década de 60 e 70 pela equipe do Hebraica. Após se aposentar das quadras, ele mudou de carreira, passando a trabalhar como empresário e investidor imobiliário, mas ainda assim continuou sendo uma figura influente no meio esportivo pelo fato de ser um grande incentivador do esporte.

Assim como o seu pai, Rodrigo Terpins tem se destacado na modalidade esportiva que decidiu praticar, apresentando um elevado nível de dedicação e comprometimento ao esporte. Entre as várias competições importantes em que ele já esteve, a mais marcante da carreira do esportista foi a 22ª edição do Rally dos Sertões, que é o principal torneio off-road do Brasil, reconhecido pelo seu complexo grau de dificuldade.

Na fase inicial da 22ª edição do Rally dos Sertões, todos os participantes começaram a competição em um trecho de aproximadamente 150 km a partir de Goiânia, que era marcado por estradas muito difíceis e tortuosas, as quais exigiram grande habilidade e domínio do volante pelos pilotos. Porém, a dupla Rodrigo Terpins e Fabrício Bianchini conseguiu ultrapassar todas essas adversidades e terminar a primeira fase com um tempo de cerca de 2 horas, o que garantiu a sétima posição entre os concorrentes da categoria Protótipos T1.

Em entrevista sobre essa primeira etapa do torneio, Rodrigo Terpins reforçou que o trajeto inicial era tomado por diferentes tipos de terrenos, o que aumentou substancialmente o grau de dificuldade da prova. Mesmo assim, ele destacou que o seu veículo conseguir suprir todas as expectativas geradas, inclusive a suspensão do carro, que era a maior preocupação durante o início da competição.

Ao todo, contando todas as fases do torneio, a 22ª edição do Rally dos Sertões teve cerca de 2.500 km rodados ao longo de suas sete etapas, passando por dois estados distintos. Na classificação final, o piloto Rodrigo Terpins e o navegador Fabrício Bianchini finalizaram o torneio com a oitava posição do ranking na categoria disputada, a qual era composta por quase 40 concorrentes.

Segundo os entendedores da modalidade, a 22ª edição do Rally dos Sertões foi uma das mais difíceis e disputadas da competição até o momento. Por essa razão, o fato de terem terminado algumas etapas entre os cinco primeiros colocados e de finalizarem o torneio na oitava colocação foi grande vitória para a dupla, que pilotou o veículo de número #326 ao longo do rally.

Sobre os bons resultados obtidos, o piloto fez questão de ressaltar que estes só se tornaram possíveis em função do grande esforço e dedicação de toda a equipe envolvida, os quais são sempre essenciais para qualquer conquista em um esporte tão complexo como o rally.