Mesmo trabalhando fora, as mulheres acabam sofrendo com uma carga de trabalho maior devido às tarefas domésticas e a responsabilidade com a rotina dos filhos. Uma soma realizada em 2016 das horas que elas dedicam às atividades domiciliares, as mulheres acabam trabalhando mais que os homens com uma carga que ultrapassa 54 horas semanais enquanto a dos homens são de 51,5 horas semanais.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios – Pnad e divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas – IBGE, baseadas no módulo “Outras formas de trabalho”, que não entram como uma categoria de ocupação. São quatro formas de trabalho que incluem a produção de bens para consumo próprio, cuidado de pessoas moradoras ou parentes, afazeres domésticos e trabalho voluntário.

Apesar deste bloco temático não participar da conta do Produto Interno Bruto, explica a analista Alessandra Brito, as formas de trabalhos apresentadas na pesquisa são relevantes pois apontam as atividades que são invisíveis mas possuem valores. A analista do IBGE, Marina Ferreira, explica que quando uma pessoa realiza uma atividade doméstica, um trabalho que poderia ter uma mão de obra contratada para realizá-lo tem sim seu valor. “Da mesma maneira que a produção de consumo próprio, pois a pessoa produz uma coisa que ela poderia comprar em um mercado e pagar um determinado valor” completa.

Se somado o tempo que é dedicado na realização de atividades domésticas e ao cuidado de pessoas a diferença fica ainda maior, sendo o dobro do tempo que eles possuem nas atividades.

Quando observamos as pessoas desempregadas a diferença também é evidente. As mulheres que não trabalham fora gastam 20 horas semanais cuidando dos afazeres domésticos enquanto os homens gastam apenas 10 horas por semana.

Quanto a produção de bens consumíveis, os homens acima de 50 anos de idade são os que mais produzem, sendo 52% dos que se dedicam a autonomia.

Os dados também compararam o trabalho voluntário que apontou que 4,6% das mulheres e 3,1% dos homens os realizam.

Não há dúvidas que elas trabalham mais que eles, pois mesmo quando trabalham fora as mulheres chegam em casa, cuidam da limpeza, comida e das crianças, algo que deve ser mais valorizado pela sociedade.