Quem tem um salário estável e está há muitos anos em uma empresa, nunca pensa que pode ser demitido por uma causa que não seja grave, mas isso não é uma regra. Pelo menos é o que conta a história de Rachel Burns.

A profissional trabalhava em uma casa de idoso há 21 anos e nunca imaginou que uma inocente foto postada no Facebook poderia derrubá-la com força total de seu cargo com um salário de aproximadamente R$ 16 mil reais mensais. Em seu trabalho Rachel tinha que gerenciar um abrigo de idosos. A carreira no abrigo teve início como cuidadora assistente e gradativamente ela foi subindo de cargo.

Para trazer mais atividades para os idosos do abrigo sempre eram organizadas algumas atividades para descontrair, mas foi em uma dessas descontraídas que se iniciou uma demissão no mínimo inesperada.

Em uma das noites musicais organizadas no abrigo, Rachel que sempre gostava de cantar tirou uma foto com um microfone enquanto os residentes curtiam uma boa noite e se animavam com a festa. Depois que Rachel publicou o momento de descontração do seu trabalho em sua rede social no Facebook, vieram os transtornos.

Mais pessoas do que ela imaginava haviam visto as fotos. Depois de dois meses, ela recebeu uma ligação para uma convocação no escritório da diretoria. Quando compareceu no escritório, percebeu que não vinham boas notícias pela frente.

De acordo com a reunião foram várias regras que foram desrespeitadas pela gerente do abrigo que não poderia postar uma foto no Facebook com um dos residentes e muito menos identificá-los, ainda mais porque um parente do residente era amigo de Rachel na rede social. Depois de dois dias uma suspensão foi aplicada em Rachel.

Após perder o seu cargo, vieram as dificuldades financeiras que chegou em uma situação limite na qual Rachel quase não tinha recursos para se sustentar. Com a sua causa trabalhista na justiça, ela sofreu de ansiedade e falta de sono.

Em uma de suas últimas audiências ela pensa em desistir, mas consegue seguir em frente com a ajuda de seu marido, quando finalmente a corte entende que a demissão pela foto postada no Facebook foi injusta, e agora ela deve esperar pela audiência de reparação.